Parte do coletivo Soylocoporti

Quanto mais pontos de vistas, melhor fica a visão para o mundo

quinta-feira, 8 de março de 2012

Ponto de Cultura em Campinas promove curso de agentes multiplicadores na Oficina Memória Ativa

Nos dias 10, 11, 24 e 25 de março das 9h as 18h acontecerá o
Cursos de Capacitação para agentes multiplicadores na Oficina Memória Ativa, Módulo 1 e 2, no CENAPEC – Campinas
Para profissionais da Saúde ou da Educação
Este curso tem como objetivo capacitar o profissional para oferecer trabalho de estimulação de memória para grupos de diversas faixas etárias e níveis intelectuais tais como grupos de: crianças,  jovens, adultos, idosos, estudantes, trabalhadores, aposentados, com ou sem deficiências, deficientes mentais, deficientes físicos, deficientes visuais.
A pessoa interessada deve enviar um email para cirandadamemoria@gmail.com
Para saber mais do trabalho da Biblioteca e Centro de Pesquisas em Cultura CENAPEC, visite o site: www.cenapec.org.br
Conheça também os cursos que acontece frequentemente no local:
share save 171 16 Ponto de Cultura em Campinas promove curso de agentes multiplicadores na Oficina Memória Ativa

Nenhum comentário »

segunda-feira, 29 de agosto de 2011

Cancelada a palestra da parteira Dona Prazeres em Taubaté -SP

Por Angélica Varejão

A vinda da parteira Dona Prazeres no Conselho Municipal dos Direitos da Pessoa Portadora de Deficiência de Taubaté estava marcada para dia 28 de agosto, juntamente com a doula Lívia Mello, no momento em que minha gestação completaria 38 semanas. E então, a fala de ambas ocorreria no dia 30 de agosto.

Porém, a bolsa rompeu no dia 24 a noite, o mesmo dia da publicação anterior neste blog, e por este motivo João Iacamin, nosso pequeno beija-flor, nasceu dia 25 num ambiente hospitalar e conseqüentemente, foi optado por desmarcar a vinda de ambas, a fim de favorecer os chamados de partos que as mesmas recebem freqüentemente em PE, uma vez que o meu já havia sido encaminhado.

Lívia permaneceu como doula mesmo a distância, ficamos em contato durante todo o processo, o que me proporcionou confiança e firmeza no pensamento. Em breve, pretendo fazer uma publicação com algumas anotações que fiz durante meu trabalho de parto, o qual acabou se encaminhando para uma cesárea.

De qualquer maneira, o que posso dizer é que estamos bem e com saúde, graças a Deus!

joao com 1 dia de vida 225x300 Cancelada a palestra da parteira Dona Prazeres em Taubaté  SP

“Assobiou e clareou este jardim de belas flores… silenciou quando pousou o beija flor que aqui chegou…”

(Rosemberg para Iacamin)

share save 171 16 Cancelada a palestra da parteira Dona Prazeres em Taubaté  SP

Nenhum comentário »

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Parteira tradicional de Pernambuco dará palestra em Taubaté SP

Eu, Angélica Varejão, membro do coletivo Soylocoporti, estou grávida do meu segundo filho, João Iacamin de 37 semanas e meia. Tive a oportunidade de conhecer a parteira Dona Prazeres de PE durante a estada da minha família (companheiro Gustavo e filho Otto Yamandu) em João Pessoa, na Paraíba. Primeiramente conheci algumas mulheres tremendamente gratas que tiveram seus filhos nas mãos desta parteira, depois vim a descobrir que estava grávida e então conhecê-la pessoalmente.

Parteiras1 Parteira tradicional de Pernambuco dará palestra em Taubaté SPMaria dos Prazeres de Souza, enfermeira-parteira tradicional de Jaboatão dos Guararapes (PE)  é liderança das parteiras, reconhecida como Mestre da Cultura Popular pelo Ministério da Cultura e possui experiência de mais de cinco mil partos já realizados.

Estará em Taubaté SP para fazer o meu parto, e terá alguns momentos de fala para expandir sobre a importância do parto não só normal, mas natural como proteção da vida.  Também explanará neste dia sobre o movimento das parteiras no Nordeste do Brasil.

Dona Prazeres é uma pessoa que veio a este mundo com esta missão e a realiza com muito amor, tranquilidade  e confiança.

Ter uma pessoa segura e confiante no momento do parto é essencial para que tudo se desenrole da melhor maneira possível.

Outra figura muito importante é a doula, auxiliar de parteira, que faz esta ponte entre a parteira e a parturiente (quem está dando a luz), e deve ser uma pessoa de extrema confiança e sintonia.

No meu caso, esta pessoa é Lívia Mello, com a qual já havia tido contatos iluminados anteiormente e calhou perfeitamente de eu a escolher como doula e ela escolher acompanhar meu parto, sincronicamente, mostrando assim que estamos no caminho certo.

A fala de Dona Prazeres e Lívia em Taubaté SP terá como tema:

“RETOMADA DA TRADIÇÃO DO PARTO NATURAL: RESISTÊNCIA NA PRESERVAÇÃO DA PARTEIRA E DA VIDA”

acontecerá na abertura da reunião mensal do Conselho Municipal dos Direitos da Pessoa Portadora de Deficiência de Taubaté (Comdef-Taubaté)

Terça-Feira – 30/08/2011.

no Solar Municipal dos Conselhos de Taubaté, situado na Av. Dr. Emílio Winther nº 785, Centro Taubaté – SP.

às 09:00 horas.

Veja o folder:

folder – Comdef 30.08.11

Para quem quiser assistir algumas reportagens em rede aberta realizadas com Dona Prazeres e outras parteiras, veja os links abaixo:

http://www.sesctv.org.br/destaque.cfm?id=5791&destaque_id=4

http://pe360graus.globo.com/videos/cidades/saude/2011/06/30/VID,22644,4,62,VIDEOS,879-ESTUDO-TENTA-RESGATAR-CONHECIMENTO-HISTORICO-PARTEIRAS.aspx

share save 171 16 Parteira tradicional de Pernambuco dará palestra em Taubaté SP

Nenhum comentário »

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Apôitchá promove atividade de valorização da consciência negra através Novembro Negro em Lucena-Paraíba

A APÔITCHÁ – Organização Não Governamental – está localizada na cidade de Lucena, situada no litoral norte, a 50 km de João Pessoa, Capital da Paraíba. Nesta cidade litorânea, cheia de belezas naturais, onde o acesso é feito por transporte marítimo de balsa do município de Cabedelo atravessando o Rio Paraíba em seu encontro com as águas do mar ou pela estrada rodoviária PB-025 pelo transporte intermunicipal com paisagens de extensos canaviais e coqueirais, passando pelo mágico portal de Bambus é que chegamos à cidade de Lucena.

 Apôitchá promove atividade de valorização da consciência negra através Novembro Negro em Lucena Paraíba

Adentrando-se mais na mata, seguindo “O caminho dos cajus amarelos” e que se chega no Castelo Encantado da Apôitchá, guardado pelos beija-flores e recebendo a luz ao abrigo da “A Roda do Sol”.

O nome APÔITCHÁ se deve a uma expressão local do caboclo lucenense que quer dizer “a pois tá”, que assim como o nº 8 é pronunciado pelo caboclo como “oitcho”, o “a pois tá” também é pronunciado como “Apôitchá” para dizer por exemplo “Apôitchá certo, Amanhã tô lá”. Como símbolo de valorização da cultura popular, a expressão local deu origem a sigla APÔITCHÁ – Associação de Apoio ao Trabalho Cultural, Histórico e Ambiental.

Dentre diversas ações que são desenvolvidas na Organização, as quais podem ser conferidas no sítio www.apoitcha.org, está em destaque o Novembro Negro.

Como maneira de despertar a sensibilização da sociedade para a raiz negra presente em todos nós e a celebração do mês de novembro como mês da Consciência Negra, Acontecerá no dia 20 de novembro, dia da consciência Negra o evento chamado Novembro Negro.

cultura de nois cartaz atuai ok1 722x1024 Apôitchá promove atividade de valorização da consciência negra através Novembro Negro em Lucena Paraíba

Divulguem para seus contatos e dentro do possível: compareça! Vale a pena ver que, apesar de muitos serem brancos ou pardos, todos tem na raiz a negritude que pode se manifestar, que pode se valorizar, que pode revolucionar.

texto e imagens captados do site www.apoitcha.org

share save 171 16 Apôitchá promove atividade de valorização da consciência negra através Novembro Negro em Lucena Paraíba

1 comentário »

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Audioteca Digital Gratuita fornece acesso a livros a deficientes visuais

Pessoal, reproduzo aqui no Blog Mentes Multifocais a preocupação do pessoal da Audioteca Digital, que por falta de divulgação pode parar de fornecer este serviço tão importante aos deficentes visuais para o Brasil todo.

Leiam com atenção

Angélica Varejão

A AUDIOTECA SAL E LUZ é UMA INSTITUIÇÃO FILANTRÓPICA, SEM FINS
LUCRATIVOS, QUE PRODUZ E EMPRESTA LIVROS FALADOS (AUDIOLIVROS) .

MAS O QUE SERIA ISTO? SãO LIVROS QUE ALCANÇAM CEGOS E DEFICIENTES
VISUAIS (INCLUSIVE OS COM DIFICULDADE DE VISãO PELA IDADE AVANÇADA),
DE FORMA TOTALMENTE GRATUITA.

SEU ACERVO CONTA COM MAIS DE 2.700 TíTULOS QUE VãO DESDE LITERATURA
EM GERAL, PASSANDO POR TEXTOS RELIGIOSOS ATÉ TEXTOS E PROVAS
CORRIGIDAS VOLTADAS PARA CONCURSOS PúBLICOS EM GERAL.

SãO EMPRESTADOS SOB A FORMA DE FITA K7, CD OU MP3.
E AGORA, VOCÊ ESTÉ SE PERGUNTANDO: O QUE EU TENHO A VER COM ISSO?
É SIMPLES.

NOS AJUDE DIVULGANDO!!!

SE VOCê CONHECE ALGUM CEGO OU DEFICIENTE VISUAL, FALE DO NOSSO
TRABALHO. DIVULGUE!!!

PARA TER ACESSO AO NOSSO ACERVO, BASTA SE ASSOCIAR NA NOSSA SEDE, QUE
FICA SITUADA À RUA PRIMEIRO DE MARÇO, 125-
CENTRO. RJ.
NãO PRECISA SER MORADOR DO RIO DE JANEIRO.

A OUTRA OPÇãO FOI UMA ALTERNATIVA QUE SE CRIOU, FACE À DIFICULDADE
DE LOCOMOÇãO DOS DEFICIENTES NA NOSSA CIDADE.

ELES PODEM SOLICITAR O LIVRO PELO TELEFONE, ESCOLHENDO O TíTULO PELO
SITE, E ENVIAREMOS GRATUITAMENTE PELOS CORREIOS.

A NOSSA MAIOR PREOCUPAçãO RESIDE NO FATO QUE, APESAR DO GOVERNO
ESTAR AJUDANDO IMENSAMENTE, É PRECISO APRESENTAR RESULTADOS.

PRECISAMOS ATINGIR UM NúMERO SIGNIFICATIVO DE ASSOCIADOS, QUE
REALMENTE CONTEMPLEM O TRABALHO, SENÃO ELE IRÁ SE EXTINGUIR
E OS
DEFICIENTES NãO PODERÃO DESFRUTAR DA MAGIA DA LEITURA.

SÓ QUEM TEM O PRAZER NA LEITURA, SABE DIZER QUE É IMPOSSíVEL
IMAGINAR O MUNDO SEM OS LIVROS…

Audioteca Sal e Luz. Rua Primeiro de Março, 125-
7º Andar. Centro – RJ. CEP 20010-000
Fone: (21) 2233-8007
Horário de atendimento: 08:00 às 16:00 horas
http://audioteca.org.br/noticias.htm

A AUDIOTECA NãO PRECISA DE DINHEIRO, MAS DE  DIVULGAÇÃO !
CONTO COM A AJUDA DE VOCÊS: REPASSEM! ELES ENVIAM PARA AS
PESSOAS DE GRAÇA, SEM NENHUM CUSTO. É UM BELO TRABALHO! QUEM PUDER
FAZER COM QUE A AUDIOTECA CHEGUE À MíDIA, POR FAVOR FIQUE à
VONTADE. É TUDO DO QUE ELES PRECISAM./

share save 171 16 Audioteca Digital Gratuita fornece acesso a livros a deficientes visuais

Nenhum comentário »

terça-feira, 15 de junho de 2010

Aqui moram quilombolas que vieram pra ficar…

Este texto recebeu menção honrosa no Concurso da SETI – Universidade sem fornteiras na modalidade “Relato de Experiência” dos projetos do programa no Estado do Paraná

casa sr silvestre1 230x172 Aqui moram quilombolas que vieram pra ficar...

Autora: Angélica Vieira Varejão

Bolsista recém-formada e terapeuta ocupacional

Relato de Experiência – Aqui moram quilombolas que vieram pra ficar…

criancas1 230x172 Aqui moram quilombolas que vieram pra ficar...

Sou terapeuta ocupacional recém-formada e participo do projeto de Sustentabilidade na Comunidade Quilombola de João Surá, situado no Programa Universidade Sem Fronteiras da Secretaria de Estado da Ciência e Tecnologia e Ensino Superior do Estado do Paraná. Atuo em João Surá há quatro anos por meio da extensão universitária. Acredito na extensão como um veículo de aprendizagem para ambas as partes, comunidade e universidade, através da troca de saberes, onde ambos saem ganhando com as experiências compartilhadas. E partindo desta concepção que acredito e permaneço na extensão até hoje.

João Surá é uma comunidade muito rica. Cada dia passado por lá é uma aula de cultura e cidadania. A Dança de São Gonçalo com sua história, voltas e cantorias; os mutirões para benefício dos moradores; as brincadeiras de roda; a comida caseira; a receptividade do povo; os bailes de sanfona entre tantos elementos a serem descobertos, apreendidos e compartilhados. Mas infelizmente, ás vezes a aula de cultura nos serve também para percebemos o que está preste a ser perdido, porque os mestres estão ficando velhos e não estão conseguindo passar para frente, como também a aula de cidadania às vezes é pra gente perceber a gravidade do que o sistema capitalista vem fazendo nestes pequenos povoados.

Os mais velhos vem sinalizando que nos últimos quinze anos, depois que a luz elétrica chegou até lá, a televisão tem plantado valores de consumo e competição entre eles, fator que fragilizou bastante o senso de coletividade genuíno entre os quilombolas. Somado a isso, há pressão, por mais de décadas, dos madeireiros e fazendeiros que procuram de todas as formas negociar as terras comunitárias. E assim, de pouco a pouco, vai se perdendo um território, uma cultura, um povo com mais de duzentos anos de história.

A partir destas problemáticas, percebemos que outros pequenos problemas surgiram por ali como: desinteresse dos mais novos em escutar os mais velhos e vice-versa; valorização do produto embalado de super mercado; valorização das roupas da moda; necessidade de ganhar mais dinheiro, migração de jovens do trabalho familiar da roça para o trabalho com os madeireiros; desmotivação em produzir os próprios produtos; descrença no próprio povo; desvalorização da própria cultura. E ainda, ficaram visíveis os problemas ambientais: contaminação das águas pelos agrotóxicos utilizados pelos madeireiros, escassez de peixes e nascentes, alterações climáticas; erosões, elevação da temperatura, diminuição significativa da fauna e flora local.

Bom, procuramos durante estes quatro anos formar um vínculo de confiança com a comunidade a fim de juntos resolver alguns problemas, despertar reflexões. Todavia, nunca prometermos mundos e fundos a ninguém, sempre explicamos francamente que o objetivo da extensão é a troca de experiências e saberes entre todos. Depois de tantas informações coletadas, vivenciadas e reflexões despertadas, estava na hora desta ação conjunta ganhar um novo sul e de maneira prática. O grande foco vislumbrado para tanto seria algo que promovesse a união, fortalecendo as relações. Auxiliamos a elaboração de um diagnóstico antropológico junto a UFPR, facilitamos a chegada da Internet através do projeto junto a Eletrosul, mas agora o que fazer com tudo isso em prol da união?

Numa reunião com a comunidade sobre o assunto, foram registradas falas como:

- A gente tem que se uní no trabaio, se não daqui a pouco tamo tudo trabalhando no pinus pra garantí sustento.

- Tem muita roça perdendo e nóis não sabe como usá. Se a gente produzisse as coisarada aqui, num precisava ficá querendo tanto dinheiro pras coisa de fora.

- Se a gente tivesse um lugar para trabaiá tudo junto, a gente ia ficá mais unido e não ia dá veis para qualquer um que viesse cum papo de tirá nóis daqui.

- Tem muita juventude boa nesta terra que tão envergonhado por servir pros lado do pinus, enquanto nois não se uní e pôr eles pra trabalhá cum nóis, eles vão pegá emprego que só acaba cum tudo que inda tem aqui.

- Se essa criançada quisesse aprendê alguma coisa, a gente podia ter alguma certeza do que vai sê daqui pra frente…

- O pessoá quer comprá embalado por que parece coisa mió que as nossa, mas na verdade já sei é que tem muito mais saúde no nosso produto. Tem muita gente querendo comprar as coisas que produzimo, é só fazê e diz que a tar Internet é pra nóis se amostrá pro povo de fora.

A necessidade de um lugar para trabalharem em conjunto havia sido manifestada por muitos moradores da comunidade em diversos momentos nestes quatro anos. Não se sabiam exatamente o que, onde e como. Já havíamos percebido, contudo, que o trabalho compartilhado uniria e fortaleceria a comunidade. Desta forma, o projeto de Sustentabilidade na Comunidade Quilombola de João Surá possui o foco na construção de uma casa de beneficiamento, para que os moradores possam reunir ações práticas ligadas à alimentação a fim de um ganho coletivo.

Este projeto então, foi planejado em fases para responder as perguntas: o que, onde e como. A primeira fase consistiu no levantamento da produção: passamos de casa em casa aplicando um questionário a fim de quantificar o que cada família produzia. A segunda fase se trata do planejamento das ações a partir dos dados, seguida da terceira: construção da casa e por fim, a quarta fase: o funcionamento da mesma. Em paralelo a todas as fases, existem atividades de formação abertas a todos os moradores, mesmo àqueles que não fosse trabalhar na casa neste momento.fazendo biju1 230x172 Aqui moram quilombolas que vieram pra ficar...

Nosso projeto foi divido em núcleos para melhor viabilização das ações junto à comunidade, sendo um ligado ao meio ambiente, outro a questões funcionais burocráticas e de comunicação e outro ligado a auto-valorização local. Eu como terapeuta ocupacional, atuo no terceiro núcleo, também chamado de Núcleo de Identidade, Cultura e Auto-valorização em João Surá.

Junto a este núcleo várias ações no eixo de formação foram realizadas. Mediamos a inscrição de Dona Joana no Prêmio Mestre dos Saberes do Ministério da Cultura, a qual foi contemplada no mesmo. Pleiteamos uma vaga a quilombola adolescente Carla Pereira no curso de Agropecuária na Escola Técnica Estadual Newton Freire Maia. Desenvolvemos junto aos jovens e crianças maneiras deles resgatarem suas histórias. Quando percebemos que a criançada comentava que parecíamos o povo da televisão e já sabendo que muitos dos adultos desistiram de passar conhecimentos pela falta de interesse destas por causa da televisão, resolvemos usar estes fatores a favor da comunidade: mostrar que o ‘povo da televisão’ valoriza a cultura quilombola e mostrando a eles que também são ‘povo da televisão’, através de oficinas e gincanas visando que eles perguntassem informações para seus pais e avós a fim de nos trazê-las e os permitido, assim, aprender também e através de registros áudio-visual da própria comunidade.

Depois das gincanas, as crianças começaram a querer saber mais sobre a comunidade, se dirigindo mais aos mais velhos. Num dado dia, um pai falou numa conversa conosco: “como é bom de contar histórias quando as criança realmente qué sabê e não só quando nóis qué contá”.

As oficinas de resgate cultural permeiam temas como causos e histórias locais, músicas, nomes e utilidades de peças tradicionais, nomes de plantas e de bichos (e como aprendemos com eles!), temas também ligados à saúde como cuidados para não ‘pegar’ a cisticercose (doença comum no local, vulgo ‘pipoquinha’), água, destinamento do lixo e também a importância da casa de beneficiamento. Outra ação deste núcleo é de transformar o resultado das oficinas em peças de teatro junto ás crianças para serem apresentadas aos mais velhos. Este instrumento tem grande aceitação entre todos, descobrimos assim um ótimo recurso de reflexão e conscientização.

No primeiro vídeo assistido na comunidade sobre eles, a reação foi fantástica. Eles prestavam atenção em cada detalhe, inclusive na fala de pessoas com quem muitos não tinham trocado meia dúzia de palavras. Ficaram impressionados com imagens da própria comunidade que muitos não tinha reparado, se impressionaram também ao ver pessoas que há muito tempo não viam pela distância entre suas casas. Era perceptível o orgulho deles estarem se vendo. Uma criança falou: “nossa, que legal esta história que a Dona Dita Freitas contou!”. Dona Dita Freitas é a senhora mais idosa da comunidade, mora afastado do centro e poucos vão até a casa dela ou param para escutá-la.

Um fato muito curioso que aconteceu nestas ações foi num dia que combinamos de fazer uma oficina junto às crianças e antes de começarmos, uma delas interrogou-me o que seria a ‘ca-po-ei-ra’, lendo pausadamente cada sílaba estampada na camiseta que eu vestia. Fiquei estupefata em supor que crianças descendentes de escravos perderam o contato com este elemento fruto do sincretismo da cultura africana no Brasil.

Naquele momento resolvi não demonstrar espanto, chamei todas as crianças que estavam presentes e perguntei se alguém dali sabia ou já tinha ouvido falar em capoeira. Ninguém soube explicar exatamente, o máximo que responderam é que já tinham visto na TV, mas nada de ligar com a cultura deles. Então fomos buscando informações a respeito do que sabiam sobre a história dos escravos no Brasil, eles buscaram respostas com seus pais e avós. E a partir destas respostas, a história da capoeira foi sendo recriada dentro do entendimento das crianças ali presentes. Cantei algumas músicas que conhecia e chamei uma criança e para jogar, sem que avisar o que iria acontecer, porém ela me surpreendeu se movimentando e interagindo a sua maneira. Desta forma todas as crianças entraram na roda e cada uma se movimentou a seu modo. Aconteceu ali um resgate da memória ancestral destas crianças. Não ensinei nenhum movimento, simplesmente foram olhando, sentindo e fazendo. E desta maneira, a capoeira ‘voltou’ para os quilombolas de João Surá, não por mim nem por eles, mas por todos nós. Até uma música as crianças criaram:

Refrão: Sou de João Surá, sou do Vale do Ribeira,

Eu gosto da minha terra e vou Jogar a Capoeira.

Esta natureza, ela é muito variada,

tudo que planta dá, e eu não preciso pagar nada.

(Refrão)

Peguei emprestado o pandeiro do Seu Vitor,

Ele é um cara camarada e também trabalhador.

(Refrão)

Lá na senzala, os escravos trabalhavam,

Apesar de tudo isso, eles também apanhavam.

(Refrão)

Desde mil e oitocentos e sete tem João Surá,

Aqui moram quilombolas que vieram pra ficar.

(Refrão)”

A música manifestou claramente o desejo da união local como também a consciência por parte das crianças a cerca de problemas locais e possíveis soluções.

Outro dia, as crianças fizeram uma roda de capoeira: se organizaram quanto cantador e coro, percebi que de maneira natural este elemento foi sendo novamente incorporado pelos quilombolas de João Surá, como algo eu nunca deixou de ser deles. Neste dia, houve comentários entre as crianças de que os adultos estavam gingando a capoeira, virando mortal e plantando bananeira atrás da igreja. Então resolvi conferir e descobri que algo muito próximo da capoeira ainda existia realmente em João Surá, pois segundo Sr. Antonio Carlos e Sr. João Baitaca, “era uma brincadeira parecida que a gente fazia na infância, a gente chama de ‘aloitá’, mas só batia uma palma de cada véis e não tinha cantorias. Essa capoeira fez a nois se alembrá”.

Depois desta reapropriação cultural por parte das crianças, Sr. Antonio Carlos afirmou numa conversa: “Poxa vida, às veis o oro tá com a gente e a gente não valoriza, não lembra de passá pra frente, desiste de ensinar porque acha que eles só vão ficá querendo o que tá na televisão. Esta história da capoeira fais a gente aprender que as veis precisamo de quem tá de fora pra olhar e mostrá pro povo o valor do que tem aqui dentro.”

Finalizo aqui este relato. Apesar de consistir numa pequena passagem dentro projeto, dentre inúmeras e fantásticas já ocorridas entre extensionistas e moradores de João Surá, acredito que é possível perceber quanto a extensão universitária tem a somar na vida de quem se dispõe a entrar de corpo inteiro neste universo, para ambos os lados que vão, naturalmente, se tornando um lado só!imga0168 230x173 Aqui moram quilombolas que vieram pra ficar...

share save 171 16 Aqui moram quilombolas que vieram pra ficar...

2 comentários »

sexta-feira, 30 de outubro de 2009

FEsta do Saci 2009 – Confira aqui a programação

FESTA DO SACI E SEUS AMIGOS – São Luiz do Paraitinga – SP

Programação:

30/10/2009 – (Sexta-Feira, 30 de outubro)

19:00 hs. – Abertura oficial (Praça Oswaldo Cruz)
19:00 hs. – Apresentação da FAMIG (Fanfarra Monsenhor Ignácio Gióia)
19:30 hs. – Lançamento do Anuário da Mitologia Brasilítica de Mouzar e Ohi (Largo das Mercês)
19:45 hs. _ Passeio Saciclístico Passeio saciclístico (saída da praça Oswaldo Cruz)
20:00 hs. – Seminário/palestra sobre cultura caipira com Ivan Vilela (Capela das Mercês)
20:00 hs. – Show com Louro e Lucas (Coretinho Antônio Nicolau de Toledo)
21:30 hs. – Show com Dinho Nascimento “Ser Hum Mano” (Coreto Elpídio dos Santos)
23:00 hs. – Seresta (pelas ruas do centro)

31/10/2009 – (Sábado, 31 de outubro)

10:00 hs. – Brincadeiras na praça “corrida do ovo, trilha enigmática, corrida de saco, rodar peneira’’ (Praça Oswaldo Cruz)
10:30 hs. – Saci urbano – painel (Praça Oswaldo Cruz)
11:00 hs. – Oficina de artesanato com Ju Preto (praça do coretinho)
14:00 hs. – Show com Grupo Perêrê (Coreto Elpídio dos Santos)
15:00 hs. – Show com Trio Jacarandá (Capela das Mercês)
15:00 hs. – Teatro com “Tempo de Brincar” (Coretinho Antônio Nicolau de Toledo)
16:00 hs. – Contação de causos com Ditão Virgílio e Geraldo Tartaruga (Coretinho Antônio Nicolau de Toledo)
17:00 hs. – Apresentação dos Flautins de Matuá (saída do Largo das Mercês)
20:00 hs. – Show com Ivan Vilela (Coretinho Antônio Nicolau de Toledo)
22:00 hs. – Show com Camilo Frade e Amigos (Coreto Elpídio dos Santos)
23:30 hs. – Show com Estrambelhados
00:00 hs. – Saciata com o Bloco do Saci (saída do Camping do Saci)

01/11/2009 – (Domingo, 1º de novembro)

10:00 hs. – Teatro com “Tempo de Brincar” (Coretinho Antônio Nicolau de Toledo)
11:00 hs. – Bolo do Saci (Coretinho Antônio Nicolau de Toledo)
14:00 hs. – Show com o Grupo Pererê (Coretinho Antônio Nicolau de Toledo
15:30 hs. – Show com a Banda Izé Mangolô “Na Cozinha do Saci” (Coreto Elpídio dos Santos)
17:00 hs. – Show com o Grupo Engole o Choro (Coretinho Antônio Nicolau de Toledo)
18:00 hs. – Show com Marco Aurélio e Mayara (Coretinho Antônio Nicolau de Toledo)
20:30 hs. – Duo Catrumano (Coretinho Antônio Nicolau de Toledo)
21:30 hs. – Show com o Grupo Forró do feijão (Coreto Elpídio dos Santos)
Encerramento

share save 171 16 FEsta do Saci 2009   Confira aqui a programação

Nenhum comentário »

terça-feira, 2 de junho de 2009

Bairro Novo finaliza atividade de Integração Comunitária falando sobre lixo e volência contra a mulher

O objetivo do trabalho foi desenvolver a conscientização das crianças e adolescentes do local para estas temáticas por meio da elaboração teatral como também canalizar às consciências já existentes. Para tanto, o trabalho teve como facilitadoras a terapeuta ocupacional Angélica Varejão e arte-educadora Lisânia Silva.
Durante o processo de criação, oficinas permearam temas como meio-ambiente, lixo, trabalho, lazer, doenças, lar, cotidiano, violência contra a mulher entre outros, obtendo o resultado que será apresentado

conviteamostra Bairro Novo finaliza atividade de Integração Comunitária falando sobre lixo e volência contra a mulher

share save 171 16 Bairro Novo finaliza atividade de Integração Comunitária falando sobre lixo e volência contra a mulher

Nenhum comentário »

segunda-feira, 25 de maio de 2009

Fórum Popular PErmanente da PEssoa Idosa de Curitiba e REgião Metropolitana se reúne nesta terça feira dia 26 para falar sobre Meio Ambiente

folder fpppi maio 2009 229x332 Fórum Popular PErmanente da PEssoa Idosa de Curitiba e REgião Metropolitana se reúne nesta terça feira dia 26 para falar sobre Meio Ambiente

share save 171 16 Fórum Popular PErmanente da PEssoa Idosa de Curitiba e REgião Metropolitana se reúne nesta terça feira dia 26 para falar sobre Meio Ambiente

Nenhum comentário »

quarta-feira, 13 de maio de 2009

18 de maio – Dia da Luta Antimanicomial: Participe da Programação

18 de Maio

Dia da Luta Antimanicomial

Programação:

-

À partir das 10 hrs– Panfletagem Informativa. Praça Santos Andrade.

- 14 hrs– Encontro de usuários de Saúde Mental . ANF100 da UFPR (Edifício Dom Pedro I)

- 16 hrs– Debate no ANF 100 da UFPR (Edifício Dom Pedro I)

  • Os ideais da luta e construção docoletivo no Paraná

(Dione Menz-Psicóloga, enfermeira. Professora da Escola Técnica da UFPR e da Faculdade Evangélica do Pr, participante do Coletivo da Luta Antimacicomial-Pr).

  • A Reforma Psiquiátrica no município de Santo André-SP

(Décio de Castro Alves-gestor Saúde Mental Santo André)

  • A LutaAntimanicomial na perspectiva dos usuários

(Paulo Michelon-Representante Fórum Gaúcho de Saúde Mental)

POR UMA SOCIEDADE SEM MANICÔMIOS!

PARTICIPE DESTA LUTA!

Coletivo da Luta Antimanicomial do Paraná

Contato: (41) 3262-1340

Data: 18/05/2009

antimacomial 2009 18 de maio   Dia da Luta Antimanicomial: Participe da Programação

share save 171 16 18 de maio   Dia da Luta Antimanicomial: Participe da Programação

8 comentários »

Blog integrante da rede Soylocoporti